Firefox: Mecanismo de busca da barra de endereços[update]

Firefox: Mecanismo de busca da barra de endereços[update]
update de 29/03/2014

O Firefox mudou muito desde que escrevi este post Firefox: Alterando mecanismo de busca da barra de endereços, então resolvi publicar também como novo post a fim de facilitar as pessoas com uma nova forma de recuperar sua barra de endereços .

Digite lá na barra de endereços: about:config

Confirme “Serei cuidadoso, prometo”

Depois na barra localizar: browser.search.default

Vai aparecer : browser.search.defaultenginename padrão sntring Google

Se não estivcer escrito Google clique em cima desta linha, uma caixa de texto vai aparecer, então clique em restaurar padrão. De ok e pronto.

Após este procedimento acima, digite em localizar: browser.search.order.

Vai aparecer:
browser.search.order.1 padrão string Google
browser.search.order.2 padrão string Yahoo
browser.search.order.3 padrão string Bing

Caso esteja exatamente assim não faça nada, apenas feche a aba e pronto. caso algum dos ítens, order.1, order.2 e order.3 estejam alterados, clique em cima da linha e altere como já foi explicado.

Dê ok e pronto feche a aba e seja feliz.

Espero que dê certo e ter ajudado.

Anúncios

Firefox: Alterando mecanismo de busca da barra de endereços[update]

Atenção: UPDATE de 16/02/2014 >> abaixo!

Tudo corria maravilhosamente bem quando um belo dia fui fazer uma pesquisa utilizando a barra de endereços do firefox, sim, caso você não saiba a barra de endereços, aquela lá em cima onde digitamos por exemplo http://www.youtube.com, do firefox serve também para fazermos buscas na web, eu sempre inexoravelmente somente utilizo o poderoso Google para pesquisar na web, detesto todos os outros, principalmente Bing e Yahoo! Entretanto as vezes algum programa espertalhão altera as coisas sem pedir permissão ou de forma sutil que pode passar despercebido por nós. Foi o que aconteceu comigo, o motor de busca de minha barra de endereços do firefox foi alterada para o Bing, deve ter sido na instalação ou autalização do Internet Explorer 6 para Internet Explorer 8 fiquei com muita raiva e imediatamente fui em busca da solução que explicarei abaixo.

É simples,ara fazer a mudança, digite about:config na barra de endereço do Firefox, aperte Enter e procure por keyword.url no campo de busca. Se o resultado aparecer em negrito, significa que foi modificado.

Clique com o botão direito do mouse sobre a chave e escolha Restaurar padrão. Com isso o sistema de buscas do Google volta como padrão.

Caso queira modificar e colocar outros mecanismos de buscas, para usá-los, basta um duplo clique sobre a chave e modifique o endereço. Alguns são:

Google – http://www.google.com/search?ie=UTF-8&oe=utf-8&q=

Bing – http://search.bing.com/results.aspx?go=&form=QBLH&q=

Yahoo – http://search.yahoo.com/search;_ylt=A0geu78_yMZJTDMAiTKl87UF?fr=sfp&fr2=&iscqry=&p=

Ask – http://www.ask.com/web?search=&qsrc=0&o=0&l=dir&q=

Porém somente a alteração desta chave pode não ser suficiente, então procure por browser.search.defaulturl e novamente se estiver em negrito foi alterada, basta um clique com o botão direito do mouse e escolha restaurar padrão , que será o Google, ou coloque outro mecanismo de pesquisa de sua preferência:

Yahoo: http://search.yahoo.com/search?ei=ISO-8859-1&p=

Twitter: http://search.twitter.com/search?q=

Google: http://www.google.com.br/search?hl=pt-BR&source=hp&q=

Wikipedia: http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Especial:Pesquisar&search=

Bing: http://www.bing.com/search?q=

Baixaki: http://www.baixaki.com.br/busca.asp?q=

Observe também um pouco mais abaixo a opção browser.search.order.1, se estiver em negrito foi alterada, volte para o padrão, Google, conforme expliquei acima ou coloque um mecanismo de sua preferência, basta o primeiro nome, por exemplo, Bing. No meu Firefox tava Bing, voltei para o padrão, Google.

UPDATE de 16/02/2014Na liha logo abaixo tem browser.search.order.2 , o padrão é Yahoo, eu deixei o padrão coloque o que for melhor para você, basta um duplo clique em cima da string, vai abrir um poup basta alterar, conforme explicado anteriormente.

Um pouco mais abaixo tem mais uma opção de configuração chamada de browser.search.selectedEngine, o padrão é vazio, ou seja, não tem nada escrito, mas você pode colocar Google, como eu, ou outro mecanismo qualquer, de preferência o mesmo que você escolheu nas outras linhas.

Após estes ajustes feche a aba e navegue feliz com seu mecanismo de busca preferido.

Fonte:  www.linuxercolossos.blogspot.com/2010/11/firefox-alterando-mecanismo-de-busca-da.html

*******************************************************************************************

UPDATE de 16/02/2014

O Firefox mudou muito desde que escrevi este post, então aí vai uma nova forma de recuperar sua barra de endereços .

Digite lá na barra de endereços: about:config

Confirme “Serei cuidadoso”

Depois na barra localizar: browser.search.default

Vai aparecer : browser.search.defaultenginename  padrão sntring Google

Se não estivcer escrito Google clique em cima desta linha, uma caixa de texto vai aparecer, então modifique para Google ou o buscador de sua preferência. De ok e pronto.

Após este procedimento acima, digite em localizar: browser.search.order.

Vai aparecer:
browser.search.order.1 padrão string Google
browser.search.order.2 padrão string Yahoo
browser.search.order.3 padrão string chrome://browser-region/locale/region.properties

Caso esteja exatamente assim não faça nada, apenas feche a aba e pronto. caso os dois primeiros ítens, order.1 e order.2 estejam alterados, clique em cima da linha e altere como já foi explicado.Não faça nada com order.3 !

Dê ok e pronto feche a aba e seja feliz.

Espero que dê certo e ter ajudado.

TDF: Libreoffice é OpenOffice e BrOffice

Reproduzo aqui a recente notícia divulgada pela “comunidade de voluntários que desenvolve e promove o OpenOffice.org” , a criação da fundação independente, TDF – The Document Foundation , “como uma alternativa ao OpenOffice.org e vai coordenar e supervisionar o desenvolvimento do software”. Na prática, um rompimento com a Oracle, proprietária da marca OpenOffice.org, e a continuidade de um produto de qualidade superior mantendo a liberdade inicial do Projeto, como foi durante os 10 anos de sucesso e convivência com a Sun Microsystems, fundadora e principal patrocinadora.

Leia abaixo o texto divulgado no site BrOffice:

Tela de abertura do LibreOffice

Comunidade OpenOffice.org cria fundação independente para continuar o desenvolvimento da suíte de escritório livre


Com apoio de gigantes da Tecnologia da Informação, líderes mundiais do projeto OpenOffice.org passam a desenvolver a suíte de forma independente. BrOffice.org – Projeto Brasil faz parte da fundação.


A comunidade de voluntários que desenvolve e promove o OpenOffice.org, a suíte de escritório livre líder do mercado, anuncia uma grande mudança na estrutura do projeto. Depois de 10 anos de sucesso com a Sun Microsystems como fundadora e principal patrocinadora, o projeto lança uma fundação independente chamada “The Document Foundation” (TDF). A Fundação escolheu a marca LibreOffice, internacionalmente, como uma alternativa ao OpenOffice.org e vai coordenar e supervisionar o desenvolvimento do software.

O objetivo é ter maior independência na decisão sobre os rumos do projeto internacional, alinhando-o às necessidades de instituições e pessoas que já usam o aplicativo. Já os usuários brasileiros continuarão utilizando o BrOffice.org, cuja marca permanecerá a mesma. Ao integrar-se no esforço de desenvolvimento da The Document Foundation, o projeto brasileiro continua com o mesmo foco: desenvolver o melhor pacote de aplicativos livre para o Brasil.

Uma versão beta, baseada no OpenOffice.org 3.3, com alguns acréscimos, já está disponível para download no site: http://www.libreoffice.org. Desenvolvedores serão convidados a participar do projeto e a contribuir com desenvolvimento do código fonte, bem como tradução, teste, documentação e suporte.

A Oracle, que permaneceu com os ativos do OpenOffice.org, em consequência da compra da Sun Microsystems, foi convidada a participar da nova Fundação, e a doar a marca para a comunidade. Enquanto a The Document Foundation aguarda essa decisão, a marca a ser adotada é “LibreOffice”. A fundação contará com apoios de gigantes mundiais de TI, como a Canonical, Google, Novell, Red Hat e Open Source Initiative.

The Document Foundation apoia o ODF (Open Document Format), e está disposta a trabalhar junto com a OASIS para a próxima evolução da norma ISO”, disse Charles Schulz, membro do Conselho da Comunidade e líder da Confederação de línguas nativas. “The Document Foundation traz para mesa o ponto de vista dos desenvolvedores, apoiadores e usuários, e isso pode acelerar o processo de adoção do ODF nas diversas instâncias governamentais e empresariais”.

Conforme o coordenador geral da BrOffice.org, Claudio Ferreira Filho, a novidade é animadora: “A BrOffice.org – Projeto Brasil em nome da comunidade BrOffice.org sente-se orgulhosa de ser parte integrante da The Document Foundation. Nosso país já possui importantes investimentos no Open Document Format e nas ferramentas de software que o suportam. Apoiamos a The Document Foundation em sua missão e visão e estamos prontos para juntar forças ao processo de desenvolvimento do LibreOffice e BrOffice.org”, afirma Claudio Ferreira Filho.

Olivier Hallot, integrante do Conselho Diretor da TDF e Diretor da BrOffice.org Projeto Brasil, afirma: “O objetivo maior é preservar a qualidade do nosso produto, honrando o compromisso que firmamos com instituições e usuários que utilizam a suíte. É também uma garantia de continuidade e inovação para gestores que planejam adotar o aplicativo e o formato ODF para documentos”.

Declarações de lideranças internacionais

Falando em nome dos grupos de usuários, Sophie Gautier – uma veterana colaboradora da comunidade e antiga mantenedora do projeto de localização da língua francesa – declarou: “Acreditamos que a Fundação é um passo importante para a evolução da suíte, porque libera o desenvolvimento do código e a evolução do projeto das restrições representadas pelos interesses comerciais de uma única empresa. Defensores do software livre ao redor do mundo têm a oportunidade extraordinária de juntar-se ao grupo, como membros fundadores, para escrever um novo capítulo na história do software livre”, afirma Gautier.

Chris DiBona, Gerente de programas de código aberto do Google Inc., comentou o seguinte: “A criação da Fundação é um importante passo para incentivar um maior desenvolvimento das suítes de escritórios de código aberto. O Google se orgulha de ser um apoiador da Fundação e de participar deste projeto”.

“Viva o LibreOffice”, disse Markus Rex, Vice-Presidente Sênior e Gerente Geral de Soluções de Plataforma Aberta da Novell. “Estamos ansiosos para trabalhar com a TDF para ajudar a desenvolver uma sólida oferta de software de documentos de código fonte aberto. Finalmente, nós esperamos que o LibreOffice faça, para o mercado de produtividade para escritórios, o que o Mozilla Firefox tem feito para os navegadores”.

Jan Wildeboer, EMEA Open Source Affairs da Red Hat, comentou: “Em todo o mundo, os usuários, empresas e governos estão migrando para soluções verdadeiramente livres baseadas em padrões abertos. O LibreOffice fornece o elo que faltava, e quanto a Red Hat, estamos orgulhosos em aderir a este esforço “.

Mark Shuttleworth, fundador e acionista majoritário da Canonical, fabricante do Ubuntu, declarou: “Software de produtividade para escritórios é um componente fundamental. O Projeto Ubuntu terá o prazer de incluir o LibreOffice em versões futuras do Ubuntu. O gerenciamento do LibreOffice pela Fundação fornece aos desenvolvedores do Ubuntu um fórum eficaz para a colaboração em torno do código que faz do Ubuntu uma solução efetiva para computador em ambientes de escritório”.

“O Open Source Initiative tem observado uma nova tendência de comunidades colaborativas para software de código aberto”, disse Simon Phipps, diretor da Open Source Initiative.”Saudamos a iniciativa da Fundação e estamos ansiosos para a inovação que ela é capaz de conduzir, com uma comunidade verdadeiramente aberta, reunida em torno de um software livre em comum, no melhor espírito de software de código aberto”.

O que é a The Document Foundation

The Document Foundation é uma Fundação meritocrática, independente e autônoma criada por lideres da antiga Comunidade OpenOffice.org. Eles continuam a desenvolver na Fundação, os dez anos de trabalho dedicado pela comunidade OpenOffice.org. A TDF foi criada na convicção de que uma fundação independente, é o ajuste adequado aos valores de aberturas essenciais da Comunidade, transparência e valorização das pessoas pela sua contribuição. Está aberta a qualquer pessoa que concorde com os nossos valores fundamentais e contribua com as nossas atividades, e congratula-se com a participação das empresas, por exemplo, através do patrocínio de pessoas para trabalhar como iguais ao lado de outros colaboradores da comunidade.

Google Chrome OS, perspectivas!

google-chrome-300x289Todo mundo já sabe que o Google vai lançar um sistema operacional em 2010. Mas muitas questões surgem em nossa cabeça, afinal para cerca de 90% dos usuários de computadores espalhados pelo mundo só existe um tipo de sistema, que a maioria dos mortais alheios ao mundo da tecnologia e dos Geeks, pensa ser o próprio computador, algo parecido com a televisão ou o dvd da sala, onde o sujeito liga e tudo está lá pronto e funcionando e este sistema chama-se Windows.
A lei do menor esforço será o grande obstáculo para o Google Chrome OS.
Por que mudar de sistema operacional se o que estou usando cumpre facilmente todas as minhas necessidades? A questão é que as pessoas não se interessaram, pelo menos por aqui no Brasil e em outros países em desenvolvimento acredito, onde a grana para a sobrevivência é curta,escassa, ficar trocando de sistema operacional só porque é moda. As pessoas querem é simplesmente navegar, conversar através do msn, escrever seus textos e para isso sempre lembram do word, ver as famigeradas apresentações bonitinhas e emocionantes do power point, e por aí vai, com isso os aplicativos do windows e o próprio windows, não importa a versão, se tornou mais do que ele é, mais do que uma marca, se tornou um estilo de vida, coisa que o Google Chrome OS, não é. E o simples fato do Google Chrome OS ser diferente e minimalista pode assustar e afastar o usuário comum e as vendas não emplacarem, mesmo com o apoio de algumas industrias de hardware. Ou então pode acontecer o que se passa hoje com o linux, o pessoal compra e quando chega em casa descobre que não tem msn, word, powerpoint, internet explorer, emule, media player, e simplemente chama o técnico da esquina para formatar e instalar o windows prirated edition. Simples assim. Esta é a realidade cruel que penso e os executivos e investidores tem estar preparados, sem falar na reação da Microsoft que pode ser imprevisível e agressiva, afinal comvenhamos, em matéria de marketing eles são muito bons e de parcerias também, podendo assim limitar a expansão do Google Chrome OS.

O fato de ser gratuíto não acredito que vai converncer um grande número de usuários, se isto fosse um atrativo o Linux já teria deslanchado.

Também tenho minhas restrições quanto a cloud computing, computação em nuvem, ou seja, a idéia dos desenvolvedores do Google Chrome OS é que a partir da janela do seu navegador de internet, que será o deles claro, o Google Chrome que quase ninguém usa, o indivíduo possa acessar seus arquivos e aplicações favoritas (que estarão na “nuvem”, on-line sempre!).
O sistema que rodará nos Netbooks, o Google Chrome OS, ou seja o navegador Google Chrome extendido a condição de sistema operacional, se tornará um sistema Operacional com uma interface simplificada que permitirá a execução de aplicações remotas de maneira mais prática. Só estão esquecendo de uma coisa, a conexão com a internet. Tudo muito maravilhoso, mas só vai dar certo com banda larga de verdade e com custo acesível, senão, além de ser obrigado a trocar de sistema operacional e de hardware o indivíduo deverá contratar um plano de banda larga, coisa que por aqui no Brasil é uma bandalheira e na maioria dos bairros ainda não tem, existe até casos absurdos de na mesma rua somente uma pessoa ter banda larga e o restante não, e a explicação disto é sempre a mesma: imposibilidade técnica. Nem vou citar os planos sem fio das operadoras de telefonia celular porque é desperdício, eles simplesmente não funcionam corretamente fora dos grandes centros urbanos, as vezes até mesmo o sinal do celular é ruim. Todo o serviço de telecomunicação deste país é ruim e extremamente caro, fora de realidade salarial da maioria das pessoas e a ANATEL não faz o dever de casa. Com todos estes obstáculos não acredito no sucesso do Google Chrome OS por aqui, claro que não será lançado tão cedo no Brasil, deve chegar por aqui no segundo semestre de 2011, como aconteceu com o iphone da Apple. Outra “software house” que não deve ficar parada vendo o Google Chrome OS fazer a festa e tentando abocanhar uma fatia do mercado de sistemas operacionais.

Alguns podem argumentar que eu estou enganado, porque com o Google Gears, poderemos manter as informações no computador, sem ter acesso á Internet. Então, mesmo que o indivíduo esteja sem conexão, poderá atualizar documentos, posteriormente eles serão automaticamente enviados para a “nuvem” assim que a conexão com a internet for restaurada. Entretanto, acredito que este tipo de coisa não vai de imediato, mas sim a longo prazo, agradar as pessoas, mesmo no meio técnico muita gente ainda não se sente confortável em depender 100% da conectividade com a web. Mesmo para trabalhar localmente teremos que ter aplicativos instalados no computador, em um HD tradicional ou memória flash, senão torna-se imposível atualizar os documentos offline, porque os aplicativos necessários estarão na nuvem, mas a nuvem estará dissipada e nós chupando dedo! Percebeu os obstáculos? E a coisa não para por aí, tem mais, muito mais. Continuemos.

Com qual empresas o Google está trabalhando para apoiar o Google Chrome OS?
A idéia é proporcionar uma extraordinária experiência ao usuário final. Entre outras, estas empresas incluem a Acer, Adobe, ASUS, Freescale, a Hewlett-Packard(HP), Lenovo, Qualcomm, Texas Instruments, e Toshiba. Tá faltando alguém? Também acho. E a Dell? ATI? Nvidia? A Intel também não está na lista!

Eu criei uma pequena lista com os obstáculos em relação ao hardware, são ítens que normalmente as pessoas gostam de ver funcionando imediatamente e com facilidade.

Outras perguntas que não querem calar:

1 – Minha Impressora multifuncional vai funcionar?
2 – Minha câmera vai ser reconhecida pelo Google Chrome OS?
3 – Meu celular/Smartphone/etc serão reconhecidos pelo Google Chrome OS?
4 – Vai ser possivel sincronizar minha TV Full HD com meu micro rodando este Google Chrome OS?
5 – Minha Placa de Rede vai funcionar neste Google Chrome OS?
6 – Meu modem adsl vai funcionar no Google Chrome OS?
7 – Meu modem para linha discada vai funcionar neste Google Chrome OS? (é, tem muita gente qua ainda usa discada pessoal,estamos no Brasil!!!)
8 – Minha WebCam vai funcionar nesteGoogle Chrome OS?
9 – Minha placa de vídeo vai funcionar neste Google Chrome OS? (nvidia e ati estão dispostas a investir neste OS?)
10 – O gerenciamento de energia do pc,laptop,netbook,etc vão funcionar neste Google Chrome OS?

Então pessoal, sinceramente eu não estou nem um pouco entusiasmado, sou fã do google e utilizo vários dos seus serviços, através do Linux,sou usuário do Linux desde 2004, mas sem parceiros de hardware, o Google Chrome OS não será nada! E com relação a isto a Microsoft e a Apple são experts no assunto. Vai ser difícil fazer frente a Microsoft e a Apple, que tem parcerias consagradas já faz mais de uma década. O ano de 2010 está às portas, a notícia é puro marketing, só isso, o Google está tentando atrair investidores e fabricantes para si causando um frenesi com a notícia, no mundo real, não significa muita coisa, as pessoas vão continuar acessando a web e a maioria com seu windows sem se preocupar com Google Chrome OS.
Em 2010 este sistema não estará pronto o suficiente e mesmo que esteja dependerá de boa conectividade disponível aos usuários e facilidade para plugar os periférios e funcionar facilmente senão o técnico e até as lojas que vão vender os Netbooks com Google Chrome OS, oferecerão para formatar o HD( vai ter um certo?) e instalar a versão alternativa do windows. Para a Apple talvez não incomode muito no início porque o público dela é fiel e exigente. Para o usuário de desktop do Brasil e do restante dos países ditos “em desenvolvimento”, “Windows XP pirated edition” continuará sendo o mais utilizado por muito anos, infelizmente!

A sorte está lançada e apesar de liderar o mercado de buscas com 65% de participação em junho, o Google tem tentado incomodar a Microsoft já faz algum tempo. lançando um sistema operacional este será o quinto elemento nesta disputa, que inclui o pacote de produtividade online Google Apps – que não é mais “beta” ganhando melhorias para atrair usuários corporativos – contra o Microsoft Office, o sistema operacional open source Android para dispositivos móveis, que vem concorrendo com o Windows Mobile, o Gmail disputando com Hotmail e matando o Outlook com novas funções e o GTalk correndo atrás do MSN Messenger, líder absoluto dos comunicadores instantâneos.

A Microsoft terá de avançar lançando sem atrasos o Windows 7 e ainda apresentar o trabalho que tem sido feito sobre o “Azure”,o sistema operacional da Microsoft baseado na computação em nuvem. Também não pode bobear com a versão online do Office Web

O Azure e o Office Web poderão ser apresentados na próxima segunda-feira (13/7) durante o evento anual Worldwide Partner Conference, da Microsoft, em Nova Orleans, nos Estados Unidos, segundo rumores que circulam no mercado.

Para finalizar sinceramente esperamos que o Google Chrome OS seja um sucesso, desejo ver um dia o mercado de sistemas operacionais mais bem dividido, com Windows, OSX, Linux, Unix, BSDs, sem monopólios, cada um com sua fatia numa concorrência saudável que proporcionará um maior desenvolvimento tecnológico que beneficiará enormemente aos usuários comuns, as empresas, instituíções de ensino e pesquisa e aos governos.

Texto divulgado no Blog:

BlogspotBanner1