NASA,Vídeo incrível: explosão solar gigante erupção de superfície do Sol

Cortesia: NASA
NASA lançou imagens de uma explosão poderosa de energia solar que desencadeou uma erupção de plasma super-aquecida a partir da superfície do Sol em direção ao espaço. A explosão foi registrada pela nave do Observatório de Dinâmica Solar (SDO), da Nasa. Trata-se de uma missão de cinco anos da agência voltada para o estudo do Sol. A NASA descreveu a erupção como “É erupção de destaque uma bela produção de  ejeção de massa coronal”, conhecido como CME. Não foi dirigido em direção à Terra. CMEs extremamente poderosos podem representar um perigo para os astronautas e os satélites no espaço, bem como redes de energia, navegação e sistemas de comunicações na Terra.

O vídeo foi compilado na segunda-feira, 16 de abril de 2012, em uma luz ultravioleta. Ele abrange quatro horas de atividade do Sol.

 

Sol: Ejeções de massa coronal

Este tipo de notícia vem sendo divulgada constantemente pelas redes de Tv por assinatura através de documentários que tem vários especialistas explicando o assunto. O que basicamente acontece é que uma vez a cada 11 (onze) anos o sol entra em um estado de atividade máxima, a próxima tempestade solar esta prevista, curiosamente, para o ano de 2012, este comportamento do nosso astro rei vem acompanhado de vários fenômenos, sendo o mais importante e preocupante as ejeções de massa coronal, que “são  explosões na superfície do sol causadas por mudanças repentinas no seu campo magnético. As ejeções de massa coronal, que são partículas de altas energias, lançadas no espaço interplanetário podem transportar 10 bilhões de toneladas de gás eletrizado e superam a velocidades de um milhão de quilômetros por hora. Quando atingem a Terra, a magnetosfera do planeta desvia a maior parte da radiação, mas uma parte pode chegar à atmosfera superior, causando as tempestades geomagnéticas”.

Tempestade Solar

Ejeção de massa coronal em direção a Terra

As ejeções coronais de massa viajam a aproximadamente 1 milhão km/hr e levam de um a quatro dias para alcançar a Terra. Quando atingem a Terra, têm milhões de quilômetros de extensão e podem causar danos a satélites, erro no posicionamento de navios e aviões de vários quilômetros, tanto pelo sistema GPS (Global Positioning System) quanto pelos sistemas Loran e Omega, danos às redes de energia elétrica, induzindo voltagens de milhares de volts e queimando transformadores. Aumentam também a incidência de radiação ionizante nas pessoas, principalmente em vôos de alta altitude, como vôos supersônicos e astronáuticos.

No G1 saiu esta semana uma notícia sobre o tema, isso significa que a atividade solar aumentou e está chamando atenção da mídia popular que normalmente não se interessa por ciência, clique aqui para ler a notícia no G1

Fontes: G1 , CED.UFSC.BR , Wikpedia

As ejeções coronais de massa viajam a aproximadamente 1 milhão km/hr e levam de um a quatro dias para alcançar a Terra. Quando atingem a Terra, têm milhões de quilômetros de extensão e podem causar danos a satélites, erro no posicionamento de navios e aviões de vários quilômetros, tanto pelo sistema GPS (Global Positioning System) quanto pelos sistemas Loran e Omega, danos às redes de energia elétrica, induzindo voltagens de milhares de volts e queimando transformadores. Aumentam também a incidência de radiação ionizante nas pessoas, principalmente em vôos de alta altitude, como vôos supersônicos e astronáuticos.

40 anos de Apollo Explorando a lua, A descoberta da terra

Logo40thApollo

O logotipo utiliza uma versão modificada de uma imagem tirada a bordo da nave espacial Apollo 11 - Crédito: NASA

Quarenta anos depois

Quarenta anos atrás, os homens começaram a partir da Terra, pela primeira vez para deixar o nosso planeta natal em viagem para a lua.

De 1968 a 1972, astronautas da NASA testam  as novas naves espaciais Apollo e percorrem  destinos inexplorados.

Tudo começou em 25 de maio de 1961, quando o Presidente John F. Kennedy anunciou o objetivo de enviar astronautas à lua antes do final da década. Vindo apenas três semanas depois de Mercúrio o astronauta Alan Shepard tornou-se o primeiro americano no espaço, Kennedy’s havia lançado um arrojado desafio a nação,em uma viagem como nenhuma outra antes na história humana.

Oito anos de trabalho árduo por milhares de norte-americanos concluídos em 20 de julho de 1969, quando comandante da Apollo 11,Neil Armstrong pulou para fora do módulo lunar e teve “um pequeno passo” no Mar da Tranquilidade, chamando-lhe “um salto gigante para a humanidade “.

Seis das missões – Apollos 11, 12, 14, 15, 16 e 17 – Passaram a aterrar na lua, estudar mecânica dos solos, meteoróides sísmicas, fluxo de calor, variação lunar, campo magnético solar e eólica. Apollos 7 e 9 testaram a nave espacial em órbita da Terra; Apollo 10 orbitou a lua como um ensaio geral para o primeiro desembarque. Uma explosão no tanque de oxigênio força a Apollo 13 a cancelar o seu desembarque, mas o resolver “não pode fazer” a missão, transformou os problemas da tripulação e de controlo da missão em um “sucesso fracasso.” Para saber mais acesse NASA

Apollo 15, o Módulo Lunar Falcon no campo Hadley-Apeninos . Crédito: NASA

Apollo 15, o Módulo Lunar Falcon no campo Hadley-Apeninos . Crédito: NASA

Da Esquerda para direita: Neil Armstrong, Michael Collins e Buzz Aldrin.

Da Esquerda para direita: Neil Armstrong, Michael Collins e Buzz Aldrin. Crédito: NASA